Escrever é sentar-me à mesa, frente a frente, com meus demônios.

Escrever é sentar-me à mesa, frente a frente, com meus demônios. Que, a saber, não são sempre maléficos. Aprendi, enquanto águias rasgavam minhas retinas com suas garras, que não há aprendizado sem dor. Então, sento com eles sempre que me é possível, sempre que me é urgente. Assim, escrevo quase todos os dias. Enfrento-os, por vezes pacificamente, em outras indigestamente, em várias outras suplicando deixar-lhes sozinhos jantando minhas entranhas. Mas não fujo mais, aprendi a acolher um a um, afinal, são partes de mim. Como o Lobo da Estepe, milhares de portas me constroem e é necessário abri-las para ver o que há além. Se não as visito, não me visito. Se não me visito, não me conheço. Se não me conheço, não me encontro. 
Quando me encontro: escrevo.

Maria Carolina Ito

Pílula Poética de julho será dedicada a Hilda Hilst

A segunda edição do pílula poética no bemdita! será lançada no dia 14 de julho e é dedicada à Hilda Hist, mulher de poesia imensa que questionava a todos.

Hilda nasceu em 1930, escritora paulistana que contribuiu imensamente para diversos setores da arte. Publicando crônicas, poesias, poemas e textos dramatúrgicos como Fluxo-Floema, O novo sistema, Júbilo, memória, noviciado da paixão entre outras obras de grande importância para a literatura brasileira.

Aos vinte anos Hilda já lançava seu primeiro livro Presságio, mas é em 1962 que se dedica exclusivamente à literatura, isolando-se numa casa de campo a onze quilômetros de campinas, São Paulo, com a idéia fundamentada pela leitura de Carta a El Greco, de Nikos Kazantzakis  em que Nikos afirma que, somente se chega ao pleno conhecimento com o isolamento do mundo, ou seja, a dedicação total a determinado fazer.

A partir daí, Hilda Hist é cada vez mais reconhecida como fundamental para se entender não somente, o contexto da época que vivia como os atravessamentos possíveis a uma mulher que sempre esteve à frente de seu tempo. A poesia de Hilda nos faz brilhar os olhos e perpassa em cada sujeito que se dispõe a conhecer a obra. Artista gigante de uma entrega sem fim, Hilda transforma a dor, os males e as alegrias da vida em um verdadeiro mergulho dentro de si. É importante lembrar: tu não te moves de ti.

É assim que lançamos a segunda pílula poética do bemdita!, com a leitura de textos de Hilda Hist pelas mulheres dessa companhia imersas em poesia. Episódio forte e intenso como era a poetisa. Escolha um momento e se permita conhecer e rever a obra, afinal, nunca é demais falar, repetir e mergulhar nos textos da brasileira.

Viva Hilda Hist!
Evoé

Por Amanda Amaral

Conheça um pouco mais da vida e obra de Hilda

Levar vida sem dissabor é não levar.

Levar vida sem dissabor é não levar. 
A dicotomia existe porque só se conhece o positivo depois de entrar em contato com o negativo. 
Quanto maior a sombra, maior a luz. 
Respeitar os vales é tão importante quanto comemorar os picos. Onda só se forma se tem os dois, senão piscina.

Maria Carolina Ito

Pílula Poética #2: Hilda Hilst

Ouça o bemdita! nosso podcast

O Pílula Poética é um programa do bemdita! o podcast da Santa Cia. Todo mês escolhemos um poeta ou poetisa para homenagearmos através de uma pequena compilação, ou combinação, de suas poesias. No mês de julho escolhemos Hilda Hilst, importante pessoa do teatro mundial. Evoé!

Seu falo me abençoa, então eu calo

Seu falo me abençoa, então eu calo
Mas a água que sai de ti não é benta 
E crer que é, considero o cerne de toda a desgraça 
Não como tua hóstia, não ajoelho em teus altares, não agradeço tuas graças
Não alcanço nada em tuas alças
Não odeio todos os homens, nem nada que o valha
Odeio aqueles que alastram o lastro
De guerras, mortes, violências 
Aqueles que içam seus mastros
Denominam-se mestres
Monstruosos coitados
Sei que de mim têm medo
Tenham mesmo
Porque enquanto blasfemam que vim de tua costela;
Como se fosse algo baixo
Dou risada no centro da igreja, olhando nos olhos dos anjos 
Porque até na calúnia que inventaram
Nós temos poder de nascer de um osso
Metamorfoses inatas
Nós brotamos em qualquer lugar 
E mesmo mortas te assombraremos
Eu não como tua hóstia, não ajoelho em teu altar, muito menos agradeço tuas graças
Eu dou risada da tua superioridade porca e falsa
Eu cuspo em teu crucifixo fálico
Eu te mato com meus próprios ossosEu não odeio todos os homens. Longe disso.

Maria Carolina Ito