já/h

    já 
     a
      hora
      minuto
      segundo
      primeiro

imediato               
     ato               
     aqui
     agora

     ágora
     à
      toa
         lha
    jato
        d 
     água

 presente
     ente
 presença
   crença
      na
   doença
     
     me
interpreto

internado
     no
in
  tornado
     preto

  torno
     nado
   danado
      adotado
       dotado   
 
nenhuma
nem uma
nem ai

 me ia
   dia
     a
   dia
 media
 medio

 medo
   do
 me io

 não
  seja

esteja

 me
   di to
     a
    já

Vitor Marques

será que dragões existem?

será que dragões existem?

não me surpreenderia
                   afinal, se eu fosse uma criatura geofísica
                   alma de Gea
                   anjo da Terra
                           também me esconderia dos humanos
                              
                                     esconder não
                                  me         invisibilizaria
                                               visivelmente

como a serpente que não se arrasta pelo chão, 
     e              sim  o acaricia
como                       acariciar  a mãe
                                        Mãe
                           Terra

   ou talvez me materializaria 
como um            simples                          homem
                                                    carne
                                                    osso
e ter uma vida     simples
                                                    respirar
                                                    dormir
                                                    comer
                                                    trepar
e deixar 
     a          materia se envelhecer
     até dizer             adeus   aos  filhos
                                        netos
e               voltar             a    Mãe

Vitor Marques atravessado por Molinero (Yogakrisnanda)

gota/mar/vida

        a
        i
        c               a
e       n               r
t       e               i     
n       i               e     
e   o   r               o     
s   d   e     a         h    o    a       r   l
e   i   p     t    o    c    ã    r   o   a   a       zero    
r   u   x     o    t    a    ç    o   r   h   n     vez
poçarepresa  agitada    cabeça    g   t   l   i  talvez
    repleta  aguarda troca   achatado u   olhos  tal
  mar preso   guarda troço    chato adorado hospital
   areia sol água dentro        atolado  doente         vida 
 i  real saudade     trânsito      lavado    tédio     avião 
  morto  sal zero torso  silêncio    vácuo     diabo  navio
     torto luz rosto solto    cio      cu        abominável   dor
        todo      toca   ó    cio    vazio          mina elevador

Vitor Marques