Cata-te

Dorme-te, imbecil
Dorme-te que amanhã será sua fossa
Dorme-te, retardado
Dorme-te que hoje tu teve sua loucura

Acorda-te, imbecil
Acorda-te que tens que trabalhar
Acorda-te, retardado
Acorda-te que queres uma nova esperança

Deita-te, imbecil
Deita-te que seus joelhos não aguentam
Deita-te, retardado
Deita-te que suas costas já pastam

Levanta-te, imbecil
Levanta-te que queres ir ao banheiro
Levanta-te, retardado
Levanta-te que hoje serás o primeiro!

Morram-te, imbecís
Morram-te que já lhes esperam
Morram-te, retardados
Morram-te que seus lábios padeceram

Pedro Coêntro

Vulgar

Vulgar

 

O pelo do cu, comprido
Que, trançado, chega até o umbigo,
É amigo dos pelos do saco,
Dos da xana e do sovaco.

Tem o laço e o cabaço.
Vá com tudo, mela tudo!
Vá com tudo, mela tudo!
Que ‘nois’ não é feito de aço!

Somos carne, carne e libido.
Derrama porra no ouvido.

Chupa esse dedo, lambe aquele grelo.
Não precisa raspar os pelos dos seus meios.
Nossa, adoro os seus seios… ah devaneios.

Pedro Coêntro