ANTROPOFREI


Praça dos Arcos (final da Av. Paulista)

De 24 de setembro à 10 de dezembro

Cidade Árida

Rua mera passagem

Olhares efêmeros

Relações líquidas

Organismos secos

Nó na garganta

Na avenida paulista sentido paraíso

Ouve-se um grito à esquerda

em nosso segundo espetáculo, nós da Cia. Nada Pensativo verticalizamos a pesquisa e tomamos a antropofagia como fio condutor de nossa consecução cênica. Nesse sentido o espetáculo Antropofrei se apropria do interesse pelo que não é meu, para devorar e regurgitar temas que perpassam as integrantes e os integrantes do grupo. Intolerância religiosa, situação política política atual, invisibilidade social, machismo, trans e homofobia, são assuntos que caíram em nossos pratos e que tentamos, após um ano de mastigação, oferecer em praça pública numa proposta de degust(ação).

a rua Frei Caneca, palco primeiro de nossas experiências cênicas, mostrou-se pouco aberta à nossa ocupação artística e permaneceu apenas como estímulo poético de nossa criação. De outra forma foi a recepção que a Praça dos Arcos (ou praça Marechal Cordeiro de Farias) o qual acolheu-nos como ágora grega e que agora é palco de nosso ritual tragicômico.

em devoração de diversas linguagens artísticas, tanto no que diz respeito ao teatro quanto à grande presença de música, poesia e dança e sem a pretensão de levar a cabo a discussão dos temas que aponta, nosso espetáculo deseja ocupar o espaço urbano festivamente com um ritual bacante em ode à Primavera num gesto de resistência à opressões e sede de liberdade.

Raul Moraes

Frei à-borda

Caneca trans-borda

De dia gravatas rezam ao capital

De noite escapam filas a falos

da Grécia ao Pindorama. Do Pindorama a São Paulo cosmopolita. Dionísio está entre as figuras que habitam a Frei Caneca. Um carroceiro surge com sua carroça, com seu ganha-pão, com seu carro alegórico.

das realidades visíveis e invisíveis, a ocupação artística teatral torna evidentes os conflitos entre tempos. Os valores estão em constante digestão e a rua que carrega o nome do frei carmelita encontra-se no limiar entre o sagrado e o profano, o tabu e o totem. A carroça abre caminho a um coro de bacantes pensativas, que devoram e são devoradas pelo espaço urbano celebrativo do Ser Brasileiro em sua antropofagia.

Para que Empodere seja o inverso
De todo poder forçado a nós.
Em cada grito enunciamos:
Cansadas estamos!
E com ímpeto,
Rogamos a nós nossas bênçãos:
As mal amadas, estupradas, dopadas, violentadas, algemadas, injustiçadas, veladas, castigadas.
Putas! Todas putas!
Pois é sem hora.
Agora, todo mal verterá por nossas antigas e calejadas mãos.
Sangraremos o rio do mundo até nosso conhecimento fluir.
Nossa subjetividade aflorar e expandir,
E todas sermos unas,
Deusas e rainhas,
Mulheres de todos os cantos, cores e formas:
Com útero, com pinto, sem peito, com pelos.
Vocês verão florescer nossos mundos!

Laís Silvestre


Heri Brandino, Vitor Marques e Caio Megiato- Coro. Foto: Rafaela Franco

Ficha Técnica

Atuadores
Angelo Aleixo
Caio Megiato
Carô Calsone
Caroline Consalter
Giulia Valente
Heri Brandino
Juliana Gotz 
Rafael Abrahão
Rafa Pinheiro
Raul Moraes
Sofia Riccardi
Vitor Marques
Vitória Fava

Produção e direção cênica
Rafael Abrahão
Raul Moraes

Direção Musical
Caroline Consalter
Juliana Gotz

Assistência de direção musical
Heri Brandino

Direção de arte
Vitória Fava

Direção de comunicação
Caio Megiato

Assistência de Cena
Marte Ars

Apoio
Laís Silvestre

Arte gráfica
Marina Liz
Vitória Fava

Tesouraria
Angelo Aleixo
Arthur Rizzo
Juliana Gotz

Audiovisual
Chiara Sengberg
Gabriel Zanelato
Rafaela Franco

Cenotecnia
Bruno Moretiene
Maria Cordeiro
Vitória Fava

Arquitetura cênica
Bruno Moretiene
Gabriel Lisboa

Assistência de cenário
Seu Luís (UNESP)

Técnico de som
Rafael Diniz

Figurinos
César Dante

Costura
Benedita Calistro

Coreografia
Caio Megiato

Dramaturgia
Santa Cia.

Agradecimentos especiais
Alemão (ferreiro da carroça)
Carminda Mendes André
Davi Brandão
Francis Silva
José Eduardo Faria
Paula Caju
Priscilla Abrahão

Agradecimentos aos doadores da Kickante
Alexandre Nomura
Amanda Navarro
Aparecida Ventura
Barbara Belatini
Caio Pasqualini
Carlos Henrique Megiato
Célio Alves Pacheco
Claudia Cristina Fiorio
Diogo Inácio Dias
Dora Megiato
Felipe de Moura Xavier
Gabriele Salyna
Geovane Carlos Rega
Joanna Lis
José Eduardo Faria
José Walter Marchiotti
Laura Salerno
Letícia Junqueira
Lisa Werebe
Matheus Bueno Dias
Marcia Abrahão
Marcia Belatini
Maria do Carmo Faria
Marina Mello Andrade
Murilo Cassimiro
Nathália Mercadante
Nelson Stefanelli
Pedro Palma
Pedro Ricardo de Souza Carvalho
Priscilla Abrahão Faria
Rafael Baloni Andrade
Roberto Santos de Oliveira
Rosa Maria Abrahão
Saimo Hernendez Calmanovici Pigari
Valter Megiato
Vinícius Lisboa
Wilson Finardi
Yanyara Volpato

Apoio
Small World
Unesp
Museu da Diversidade
Rede Biroska