LINHA DO TEMPO

Confira a história da Santa Cia. de Teatro através de sua linha do tempo.

  • Blog Nada Pensativo

    No dia 03 de faverayro d 2014 Rafael Abrahão cria o blog de poesias semanais Nada Pensativo. Na plataforma ele postava suas reflexões e questionamentos que orbitavam no presente daquele momento. No começo houveram muitos acessos, mas depois foi caindo. Para manter o fluxo, Rafael convida Arthur Rizzo, Bruno Panhoca y Viale de Lara para que a frequência dos posts mudassem d semanal para diários.

    O blog virou um espaço d postagens poéticas diárias. Na segunda postava Arthur Rizzo, na terça Bruno Panhoca, na quarta Rafael Abrahão, na quinta Viale de Lara y na sexta um leitor do blog partilhava uma poesia.

  • Escrita y ensaio anamnese

    Após um mês com postagens diárias de poesias, Arthur Rizzo y Rafael Abrahão se reúnem para a escrita de uma dramaturgia a partir da compilação y adaptação das poesias do blog Nada Pensativo. Nasce Anamnese. Rafael reúne Angelo Aleixo, Raul Moraes, Sofia Riccardi y Tathi Yattes para atuarem no espetáculo. Y Pedro Palma, Vitor Marques, Igor Fialkovits y Nicole Kouts para musicalizarem.

    A trilha sonora foi composta por Pedro Palma, que contou com os outros músicos para arranjar as músicas. Rafael contou com a assistência d direção d Caio Megiato y Carmen Rizzo. A direção d arte ficou por conta d Vitória Fava y Nicole Kouts.

    Graças a esse espetáculo, o blog Nada Pensativo se transforma em Cia. Nada Pensativo. O processo se iniciou em maio de 2014 e durou até julho de 2015, com um ensaio semanal aos domingos.

  • Futurice (Des)Humana na Casa das Rosas

    A convite d Marina Pechlivanis, artista y curadora, participamos em agosto de 2014 da 69º Edição da Quinta Poética – sarau poético que ocorre toda última quinta do mês na Casa das Rosas. Mais uma vez a partir das poesias do blog Nada Pensativo foi compilada uma dramaturgia: Futurice (des)humana. Uma cena curta que Letícia Junqueira, Rafael Abrahão y Vitor Marques dirigiram y enceneram no evento. A sonoplastia ficou por conta de Pedro Fernandes. Neste tempo começamos a investigar a linguagem performativa.

  • Sábados Pensativos

    Vitor Marques promoveu a primeira parceria da Cia. Nada Pensativo com a Verve Galeria. Em conversa com Allan Seabra, curador da galeria, nasceu o Sábado Pensativo: evento performativo que ocorria todo último sábado do mês. A galeria cederia o espaço para a Cia. Nada Pensativo realizar performances compostas de temas a partir das obras de arte expostas.

    Na praça Benedito Calixto todo sábado acontece uma feira de antiguidades. Aproveitávamos o movimento na feira e iniciávamos o evento no espaço público que depois seguia para a Verve Galeria . Foram realizados cinco Sábados Pensativos: Corpus, Cromo, Aqua, Vício y Fauna. A parceria com a Verve Galeria durou de outubro d 2014 até junho de 2015.

  • Temporada de estréia de Anamnese no Teatro Pequeno Ato

    Após um ano e meio de processo, em agosto de 2015, estávamos prontos para estrearmos Anamnese. Escolhemos o Teatro Pequeno Ato y fizemos nossa primeira temporada, com oito apresentações aos sábados y domingos. Sem editais com a Parceria da Arqmate e da Small World conseguimos realizar esse trabalho que tanto tempo levamos para levantar.

  • início dos estudos da Antropofagia

    Depois da temporada de estréia de Anamnese, sentimos que precisávamos explorar y estudar outros temas. Estávamos abertos para novas possibilidades, y Rafael Abrahão trouxe a antropofagia como possibilidade norteador. Desde o ano anterior muitos d nós já nos aproximávamos dessa visão de mundo.

    Alguns no grupo não quiseram seguir y partiram. Os que ficaram convidaram novas pessoas. a ideia: investigar a visão de mundo da antropofagia juntamente com o espaço urbano da R. Frei Caneca. Desde os Sábados Pensativos trabalhamos com a rua, e nesse momento o grupo estava preparado para escolher y seguir seu rumo.

  • Apresentação Anamnese ETU 2015

    A última apresentação d Anamnese aconteceu em novembro de 2015 no ETU – Encontro d Teatro Universitário. depois dessa apresentação resolvemos focar toda a nossa atenção nos estudos da antropofagia.

  • Fundação da Associação Cultural Cia. Nada Pensativo

    Em 2016 a companhia somava 16 pessoas. Estavamos em um novo processo y muitos meios de inscrição de projetos pedem, cnpj e nós não tínhamos, nem éramos cooperativados. Nos questionávamos como teríamos um cnpj sem estarmos submetidos a grandes taxas. Foi aí que Bruno Panhoca sugeriu que a companhia virasse uma associação. Associação Cultural Cia. Nada Pensativo nasce em abril de 2016, mas nesse tempo ainda não cogitávamos em de fato sermos uma associação.

  • Antropomystika

    Os estudos da antropofagia caminhavam para um espetáculo de rua com maiores proporções cênicas. Tínhamos um orçamento maior em mãos e precisaríamos fazer dinheiro de alguma forma. resolvemos então fazer uma festa performativa, Antropomystika. Apolo convidava Dionysos para dar uma festa no espaço da moradia estudantil da UNESP. O dia da festa foi 10 de junho de 2016, a noite mais fria do ano para uma festa ao ar livre. Para nossa surpresa a festa lotou y aconteceu ao redor de uma fogueira.

  • Mantra das Carontes para Dionysos vazar

    Estávamos perto da estreia de nosso próximo projeto, Antropofrei, y precisávamos comprar um gerador para que o projeto pudesse acontecer. Para fazer o orçamento do gerador, fizemos o evento Mantra das Carontes para Dionyso Vazar no Frango com tudo. Uma festa que se iniciava a tarde com dois shows y depois seguia para a pista. (conseguimos o gerador)

  • Temporada Antropofrei

    O processo d construção de Antropofrei levou cerca de um ano, desta vez dirigido por Rafael Abrahão y Raul Moraes y com Loli Consalter y Juliana Gotz na direção musical. Começamos o processo investigando a R Frei Caneca que mostrou-se pouco aberta à nossa proposta cênica.

    Por sorte, y que sorte!, encontramos a Praça dos Arcos próxima dali, onde realizamos 5 apresentações do que chamamos de espetáculo-manifesto. Manifestávamos coletivamente temas que nos tocavam.

    Caio Megiato- COmpaixão. Foto: Rafaela Franco

    Em nosso segundo espetáculo, a Cia. Nada Pensativo verticalizou a pesquisa, nesse sentido o espetáculo Antropofrei se apropria do interesse pelo que não é meu, para devorar e regurgitar temas que perpassam as integrantes e os integrantes do grupo. Intolerância religiosa, situação política política atual, invisibilidade social, machismo, transfobia e homofobia, são assuntos que caíram em nossos pratos e que tentamos, após um ano de mastigação, oferecer em praça pública numa proposta de degust(ação).

  • A crise de 2017

    Em 2017 decidimos parar de apresentar Antropofrei y nos instrumentalizar. Porém o mergulho nas ideias e a ausência da prática nos fez afundar em uma grande crise. Foram 8 meses mergulhados na crise. Não conseguíamos realizar nada coletivamente y as pessoas foram deixando o grupo, de 16 pessoas para 5 pessoas: Careaux Calsone, Juliana Gotz, Rafael Abrahão, Rafael Pinto y Vitor Marques.

    Em setembro d 2017, após ficar recluso y escrever a pesquisa Oswald Devorado: como y por quê antropofagia a partir de estética y história em Oswald de Andrade, Rafael Abrahão reescreve o texto de Antropofrei, dando origem à Cora Primavera. sentíamos que no texto manifesto de Antropofrei faltava a poesia que Cora Traz em seu texto rito-manifesto.

    Em verdade foram tempos difíceis. Estávamos sem perspectivas. Mas, o que acontecia naquele momento era um movimento de ressuinssureição. Com o novo texto pronto, os 5 permanecentes resolveram ressuscitar ao invés de enterrar. Naquele momento houve uma reformulação do coletivo. chamamos Theo Moraes para compor a companhia e convidamos outros 39 artistas para a forja de Cora Primavera.

    Aqui é onde a companhia inicia sua transição de amadora pra profissional.

  • Antropomystika – Ressuscita!

    Em novembro de 2017 logo no início de nossa ressuinssurreição nos deparamos com um problema persistente: o dinheiro. Montaríamos uma peça bem grande, com muitas pessoas y precisaríamos de um capital inicial. Para celebrar nossa ressurreição, fizemos a Antropomystika – Ressuscita!, a festa trabalhava em cima da poética de Cora y Deméter, deusas ligadas à terra, à fertilidade y aos ciclos. A festa era para dar forças para Deméter seguir sua busca por Cora/Perséfone para que elas pudessem se encontrar na primavera em Cora Primavera.

  • Antropomystika – Cabaret no Tártaro

    O processo de Cora se iniciou em 24 d feverayro de 2018 com um ensaio semanal aos sábados, uma reunião de produção às segundas e outra de direção às quartas. Em 8 meses montamos nosso primeiro rito-manifesto, que estrearia na Praça dos Arcos. Ainda por questões financeiras, juntamos mais uma vez o financeiro ao artístico y realizamos no dia 13 de junho, dia de Hades, na sede da Cia. Pessoal do faroeste a festa Antropomystika – Cabaret no Tártaro, uma festa d despedida de Perséfone do submundo para florescer em Cora Primavera.

  • Para Cantar a Primavera: ritual do equinócio da Primavera no encerramento do ETU 2018

    A estréia de Cora estava marcada para o dia 06 de outubro de 2018. O ETU – Encontro de Teatro Universitário- aconteceu na última semana de inverno. O fim do Encontro seria exatamente no dia 22 de setembro, equinócio da Primavera. Para nos aquecermos para a estreia que estava para nascer y celebrarmos a estação, realizamos um show performativo com as músicas do espetáculo no Terreiro Cênico do Instituto de Artes da UNESP.

  • Temporada de estreia de Cora Primavera na Praça dos Arcos

    Após 8 meses de montagem, estreamos Cora Primavera na Praça dos Arcos, em uma longa temporada que durou de outubro à dezembro de 2018, com apresentações somente aos sábados. Apenas uma vez por semana, pois realizar o espetáculo demandava grande esforço coletivo: todo dia tínhamos de chegar 5 horas antes do espetáculo, buscar nossa carroça num estacionamento (que só conseguiria ser puxada por no mínimo 12 pessoas, devido ao peso); chegávamos na praça y tínhamos de lavar as frutas, preparar as bebidas, arranjar as flores, montar a carroça, montar as conchas acústicas, o espaço para o público, toda a estrutura de luz y som; só assim realizávamos o espetáculo, depois vinha a desmontagem de tudo. Eram 4 carros mais a carroça necessários para que Cora pudesse estar com todos os equipamentos completos.

    A equipe de direção foi composta por Rafael Abrahão, Juliana Gotz, Claudio Mascaro, Luíza Abe y Rafael Pinto

    Graças ao encontro artístico propocionado por Cora Primavera, nasce o núcleo de músicos da Santa Cia.: Manga Régia

    Neste trabalho resolvemos uma grande crise e é nele também que caminhamos mais um passo na alquimia: abandonamos o nome Nada Pensativo e fundamos, na força da fertilidade, a Santa Companhia de Teatro.

  • Apresentação de Cora Primavera na Escola da Cidade

    Cora Primavera foi o fio norteador da pesquisa de conclusão de curso da arquiteta Láis Damato em sua formação na Escola da Cidade. No dia de sua defesa de tese fomos convidados para realizarmos uma apresentação do espetáculo na Escola. Realizamos o prólogo da peça na R. General Jardim y depois entramos para o prédio. Foi a última apresentação de Cora naquele ano, no dia 04 de dezembro.

  • Temporada de circulação d Cora Primavera na Praça dos Arcos

    A companhia cresceu y gostou muito de fazer Cora Primavera. No início do ano fomos selecionados para participar do FRINGE, festival de teatro de Curitiba. Por sermos um espetáculo de rua, o FRINGE nos daria alimentação y hospedagem, o transporte seria por nossa conta. Como Cora estava lotando as sessões decidimos continuar a temporada na Praça dos Arcos em feverayro y março de 2019.

  • Apresentação de Cora Primavera no ETU 2019

    Um pouco antes de entrarmos no ônibus para Curitiba, participamos da edição do ETU – Encontro de Teatro Universitário – de 2019. pela primeira vez faríamos a apresentação do espetáculo em um espaço fechado, onde pudemos investigar outras possibilidades cênicas que não as da rua. Veja as fotos dessa apresentação.

  • Cora Primavera no FRINGE 2019

    Graças as nossas apresentações anteriores y à campanha de financiamento coletivo que fizemos, conseguimos levar Cora Primavera para semear em Curitiba. Fizemos três apresentações no Festival: no Calçadão da R. XV de Novembro, na Praça General Osório y nas Ruínas São Francisco. Uma experiência única para a Santa Cia. 45 artistas siando juntes de Sampã para outro Estado para realizarem por três dias seguidos o espetáculo e tendo somente 45 minutos de montagem de toda a estrutura.

  • Cora Primavera na Vigília Lula Livre

    A convite de Marina Piotto, ativista y militante, aproveitamos que estávamos em Curitiba y no dia 07 de abril realizamos o primeiro show de Cora Primavera na Vigília Lula Livre.

    Nesta data marcava um ano da prisão política do ex-presidente Lula, foi inesquecível a oportunidade de partilhar deste acontecimento na Vigília Lula Livre, acampamento na frente da Polícia Federal de Curitiba onde o ex-presidente estava preso.

    Não sabíamos o que seria possível fazer. Fomos preparados para realizar o espetáculo, mas quando chegamos, a multidão era tamanha que não seria possível realizar a peça na íntegra, mesmo porque o espetáculo tem 2h e lá tínhamos o teto de 1h de apresentação. Nos perguntamos: o que faremos? y a ideia foi fazer o show com as músicas de Cora sendo costuradas por alguns trechos dramaturgicos. Foi aí que entendemos que Cora poderia ter outros formatos.

  • Abertura do Esquenta Festival Lula Livre no Teatro Oficina

    Quando voltamos de Curitiba recebemos o convite para fazermos a abertura do Esquenta Festival Lula Livre, evento que aconteceu em maio d 2019 no Teat(r)o Oficina, com apresentação de Bruno Ramos y Preta Ferreira, y presnças importantes: Fernando Haddad, Sérgio Mamberti, Paschoal da Conceição, Leona Johvs, entre outros. Entramos pela porta do Teat(r)o y cantamos algumas músicas, num formato pocket show.

    Processed with VSCO with m5 preset
  • Temporada de circulação de Cora Primavera no Teatro de Conteiner

    A beleza alquímica do projeto Cora Primavera está presente também em seu ciclo de vida. O espetáculo estreiou na Primavera y percorreu o Verão, o Outono y agora chegava no Inverno. Realizamos a última temporada deste rito-manifesto em junho no Teatro de Conteiner, sede da Cia. Mungunzá, na região da Luz, centro de Sampã. Foram 5 apresentações em todos os sábados de junho.

    Após isso, paramos d circular Cora, mas nunca tiramos a possibilidade d voltar, y iniciamos novos processos.

  • Performance Olho d’Água

    Durante a temporada de feverayro y março de Cora Primavera tivemos contato com o artista multimídia CACAU, do Atelier Travessia. Em uma parceria dourada, ele cedeu o espaço do Atelier para fazermos de kamarym.

    Após Cora Primavera, CACAU lançou, em agosto de 2019, uma escultura, um CD y um livro chamados Olho D’Água. Fomos convidados para fazermos uma performance de abertura em no evento de lançamento de suas obras e realizamos uma performance curta inspirada em suas poesias.

  • Início de um novo processo d criação

    Cora Primavera fez a Santa Cia. renascer, ou nascer. Graças ao espetáculo formamos o corpo da companhia y embora fossemos 45 artistas reunidos o núcleo que formava a Santa Cia. era composto por 13 pessoas, no fim do processo de Cora.

    Pensando nas possibilidades que se abriam para o grupo y no afeto que criamos com todes de Cora, repensamos o fato de sermos uma Associação y começamos a estruturar a companhia como uma Associação d fato, que trabalhasse o artístico y o pedagógico juntamente com os núcleos de produção y comunicação já estabelecidos.

    O primeiro corpo que se constituiu na Associação foi o núcleo de atuadores: Anna Merici, Arthur de Oliveira, Demétrio Abrahão, Giovanna Paiva, Luíza Abe, Madá Rocco, Malaika Cipriano, Nathiaga Borges, Rafael Pinto y Pedro Coêntro. Com a vontade de desenvolver novos rito-manifestos, o núcleo de atuadores, juntamente com o diretor Rafael Abrahão, iniciaram um novo processo de criação com a seguinte provocação: Um Ato de Bruxaria em Luta pelo Luto desta Terra.

    Em Cora comemos a antropofagia. Só nos interessa o que não é nosso. Y a antropofagia já o é. Nosso estômago ronrona por novos caminhos, mas desta vez, sem deixarmos a nossa bagagem y as possibilidades de circulação para traz.

  • Lançamento (DOC)CORA y Show Manga Régia

    Durante nossa viagem a Curitiba tivemos o prazer de ter conosco Paula Ferreira, cineasta da Batuq Produções. Paula filmou toda a viagem de Curitiba y antes já havia também produzido o filme do espetáculo.

    Em outubro de 2019 lançamos na Associação Cultural Cecília, juntamente com Paula, o (DOC)CORA , documentário de Cora Primavera. No evento de lançamento também aconteceu o show de Manga Régia tocando Cora Primavera.

  • Apresentação do show de Cora Primavera na Escola Nacional Florestan Fernandes

    Em Curitiba fomos vistos por várias lideranças, o que ocasionou em um convite que surgiu como um relâmpago! Em outubro, cinco meses após Curitiba, recebemos uma ligação de uma liderança do MST , que estava organizando a Semana de Educação LGBT na Escola Nacional Florestan Fernandes, nos convidando para apresentar Cora Primavera no evento. Tínhamos uma semana até o evento. Nos lembramos de nossa experiencia na Vigília e na possibilidade de outros formatos y levamos o show de Cora Primavera para a Escola.

  • Início da gravação do CD de Cora Primavera

    Com alguns shows já realizados y com muitas pessoas pedindo nossas músicas para ouvirem, começamos em novembro de 2019 a gravação do CD de Cora Primavera. Todos os instrumentais foram gravados no Teatro Reynúncio Lima com ambiência.

  • Movimento pela Preservação da Praça São Crispim

    Outubro foi um mês de muita movimentação na Santa Cia. Em nossas novas investigações fomos fazer uma deriva urbana Vila Ipojuca y mais tarde, em novembro, descobrimos que uma praça que estava em cima de uma micro bacia seria vendida juntamente com outras 3 praças e 1 parque em uma licitação de 33 anos para uma empresa privada construir um piscinão em seu lugar.

    vender um espaço público y assassinar um rio para promover o capital y o esgoto

    Somente Rafael Abrahão foi o munícipe a comparecer na audiência pública. Após isso houve a articulação com os órgãos públicos (Prefeitura, Defensoria Pública y Câmara de Vereadores) juntamente com a população para que drenagens sustentáveis fossem pensadas no lugar da infraestrutura cinza.

    No dia 07 de dezembro realizamos a I Roda de Conversa pela Preservação da Praça São Crispim, com a presença de mais de 80 moradores, 01 gabinetes y um representante da SIURB- Secretaria de Infraestrutura y Urbanismo. Estava em ação o Movimento pela Preservação da Praça São Crispim.

  • Estruturação da Associação

    Com o Movimento acontecendo, uma nova criação surgindo y a proposta da estruturação de nossa Associação, resolvemos nos articular com cada vez mais potência. Decidimos que nosso foco está em realizar ações culturais, socioambientais y pedagógicas. Hoje somos 35 pessoas organizadas da seguinte maneira: Diretoria Executiva, Conselho Fiscal, Núcleo de Produção, Núcleo de Comunicação y Audiovisual, Núcleo de músicos (Manga Régia), Núcleo de Atuadores, Núcleo Socioambiental, Núcleo Pedagógico, Direção Artística y Direção de Arte.

  • Viagem imersiva para IlhaBela

    No processo de criação do segundo rito-manifesto da companhia, o Núcleo de Atuadores desenvolveu 55 cenas y um trabalho alquímico imersivo para o desenvolvimento de figuras. Além disso, recebemos quatro parceiros dourados para fomentar a criação: Adely Branco, Mago Marcio Cassoni, Ricardo Hirata y Gabriela Hess. Por fim, realizamos uma viagem imersiva criativa em dezembro para IlhaBela para selar a etapa que antecede a criação do texto dramaturgico.

  • Rodas de Conversa pela Preservação da Praça São Crispim y suas ações afirmativas

    Em 2020 foram realizadas mais duas Rodas de Conversa pela Preservação da Praça São Crispim, nelas a comunidade da Vila Ipojuca estava cada vez mais articulada. Nos dividimos em dois grupos de trabalho: Cultura y Socioambiente. Em dois meses realizamos a plantação d 12 árvores, dois mutirões de limpeza, a instalação de cestos de lixo, a instalação de bancos em pontos de ônibus, uma oficina de cartazes y um pic-nic.

  • Aniversário de130 anos d Oswald d Andrade

    Há alguns anos todo dia 11 de janayro nosso amigo Fredy Állan Galembeck faz uma leitura viva do texto A Morta para celebrar o aniversário de Oswald de Andrade. Como essa data é logo no começo do ano, muitas pessoas estão viajando. Alguns de nós que estávamos em Sampã fomos na Casa Livre e realizamos a leitura juntos.

  • Aniversário de 6 anos da Santa Cia. com Leitura Viva de Um Ato de Bruxaria em Luta pelo Luto desta Terra

    No dia 03 de feverayro de 2020 a Santa Cia. completou seus 06 anos de existência y para comemorar nos juntamos todes na Casa Livre, juntamente com Gabriela Hess, Ricardo Hirata y Fredy Állan para a leitura do segundo rito-manifesto da companhia: Um Ato de Bruxaria em Luta pelo Luto desta Terra, que havia acabado de ficar pronto (a primeira versão).

  • Carnasanta 2020

    Cora Primavera enraizou no corpo coletivo da Santa Companhia o espírito dionisíaco carnavalesco. No ano de 2020 tivemos o prazer de sermos convidados para a composição de não uma, mas 02 comissões de frente. Uma foi a do Bloco Soul Chico, q tinha como tema yes! nós temos laranjas, y o outro foi o Bloco Pirikita em Chamas, com o tema na pele.

  • I Encontro d Soluções Sustentáveis y Ações Afirmativas Socioambientais

    Toda a luta pelo preservação da Praça São Crispim se somou com as mobilizações de outros bairros que também seriam afetados pela PPP dos piscinões através dos coletivos Pompéia Sem Medo y da Associação Fran Kaue, d Itaquera. A Santa Cia. y a Comunidade Brasil organizaram juntamente com o vereador Gilberto Natalini o I Encontro de Soluções Sustentáveis y Ações Afirmativas Socioambientais, onde nossa arquiteta Fernanda Colejo, juntamente com a arquiteta Paula Lemos do escritório Cota 760, falou sobre a drenagem sustentável y a infraestrutura verde como uma solução mais coerente para solucionar as enchentes na cidade.

  • Seminários d alinhamento

    Após estruturarmos a Associação y registrarmos nosso novo estatuto, percebemos que um alinhamento mais estrutural foi feito com o estatuto, mas que faltava ainda um alinhamento poético, estético, filosófico y práxico coletivo. Para isso resolvemos fazer seminários artísticos – bate papos entre nós a partir de temas que pesquisamos individualmente (ou não) y que trazem impacto no nosso corpo coletivo.

    Com a chegada do COVID-19 e a instauração do isolamento social, vimos que seria de extrema importância nos aproximarmos da tecnologia y começamos os Seminários no formato de Lives.

  • bemdita!

    Na necessidade de aproximarmos mais a nossa arte da tecnologia nasce o primeiro projeto transmídia da Santa Cia.: o podcast bemdita!. Programa de radio que se propõe a debater o socioambiente, o pedagógico y outros temas importantes para a sociedade y para o aqui-agra sob a perspectiva do teatro. São três formatos disponíveis nas plataformas de streaming: o Debates y Entrevistas, Pílula Poética, y Leituras Vivas. Acompanhe!

  • Pérolas de Quarentena

    Em meio a pandemia do COVID-19 e ao isolamento social o Núcleo de Atuadores começou a pesquisar o Teatro y a Tecnologia. Como processo, temos produções audiovisuais performativas que você pode conferir nas Pérolas de Quarentena.

  • Clipes da Manga Régia

    Também no período da quarentena do COVID-19 o Núcleo Musical Manga Régia começou o processo de produção de clipes feitos a partir dos recursos disponíveis de cada um. A primeira produção foi A Primavera, de José Miguel Wisnik. Você pode conferir as outras em na págia da Manga Régia.

  • Chamada Cívica 2020

    Em 2020 o vereador Pólice Neto lançou mais uma edição da Chamada Cívica, onde munícipes se organizam para propor intervenções em ruas, praças, vielas e espaços públicos. Após toda a movimentação pela Preservação da Praça São Crispim, Fernanda Colejo juntamente com o Cota 760 inscreveram na Chamada Cívica um projeto de implementação de um jardim de chuva na frente da EMEI Ricardo Gonçalves, localizada na Av. Ricardo Medina Filho. Infelizmente o projeto ficou em segundo lugar, fazendo-nos procurar outras formas de conseguir realizar o projeto.