A ASSOCIAÇÃO

A Associação Cultural Santa Companhia de Teatro, mais conhecida como Santa Cia., é um coletivo cultural que possui o afeto como base para a construção de espaços convivais e poéticos. Conectamos pessoas, através do artístico, do pedagógico e do socioambiental para construir comunidades pautada na convivência, na acessibilidade e no acolhimento da diversidade de diferentes classes, gêneros, etariedades, raças e sexualidades que impactam o coletivo através, justamente, da transformação individual.

A Associação nasceu em 2014, com a estreia da cena Futurice (des)Humana na Casa das Rosas e as performances dos Sábados Pensativos, na Verve Galeria. Em 2015, estreamos nosso primeiro espetáculo, Anamnese, e iniciamos a trajetória na pesquisa da antropofagia, chegando ao experimento Antropofrei, realizado em 2016. No ano de 2018, a associação firma sua identidade como Santa Cia, graças ao processo coletivo do espetáculo rito-manifesto Cora Primavera: uma peça de rua, gratuita, com 45 artistas em praça pública discutindo temas urgentes, como a transfobia, a ascensão do fascismo e a intolerância religiosa, através da estética antropófaga. Cora Primavera teve sua trajetória iniciada na Praça dos Arcos, em São Paulo, depois passou pela Escola da Cidade,Instituto de Artes da UNESP, Festival Fringe de Curitiba, Teatro de Contêiner Mungunzá e Escola Nacional Florestan Fernandes (MST).

Em 2019 nos fortalecemos como Associação, nos organizando nos seguintes grupos de trabalho: Diretoria Executiva, Conselho Fiscal, Direção Artística, Direção de Arte, Núcleo de Produção, Núcleo de Comunicação e Audiovisual, Núcleo de Atuadores, Núcleo Musical- Manga Régia, Núcleo Socioambiental e Núcleo Pedagógico.

confira nosso estatuto:

Visando a sustentabilidade da Associação de forma independente, criamos a loja Santinha, uma marca de vestimenta e acessórios com estamparias originais, que permite ao público levar um símbolo de nossas peças teatrais para casa. Contamos, também, com financiamentos coletivos, parcerias e patrocinadores públicos e privados para o desenvolvimento de nossos trabalhos.