Escrever é sentar-me à mesa, frente a frente, com meus demônios.

Escrever é sentar-me à mesa, frente a frente, com meus demônios. Que, a saber, não são sempre maléficos. Aprendi, enquanto águias rasgavam minhas retinas com suas garras, que não há aprendizado sem dor. Então, sento com eles sempre que me é possível, sempre que me é urgente. Assim, escrevo quase todos os dias. Enfrento-os, por vezes pacificamente, em outras indigestamente, em várias outras suplicando deixar-lhes sozinhos jantando minhas entranhas. Mas não fujo mais, aprendi a acolher um a um, afinal, são partes de mim. Como o Lobo da Estepe, milhares de portas me constroem e é necessário abri-las para ver o que há além. Se não as visito, não me visito. Se não me visito, não me conheço. Se não me conheço, não me encontro. 
Quando me encontro: escrevo.

Maria Carolina Ito

Deixe uma resposta