Ao seu tabu!

A liberdade de ser e estar
Está cada vez mais cara
Nos país de agronegociadores
Policiais jesuíticos
Dos holofotes

Nascemos peladões
Com pyca buça e cu
Totalmente descobertos

Eis a maravilha!
Do único momento legal judicial da vida
Em que sentimos vento no hemisfério sul do corpo

O preço está tão alto
Que agora estamos no processo inverso
Fechamento do corpo na água benta

Mas convenhamos que

Não há homem que viva
Do terço da reza da castidade
Que não se tentou libertino

Só há puristas católicas
Que condenam a maconha
Apenas porque fumaram
E não bateu

Não há um homofóbico
Que ao lavar o cu depois de cagar
Não tem vontade de dar

A chalana segue…

Dogmatizamos dentro do evangelismo o corpo do outro
Na justificativa profana de termos medo do nosso próprio corpo
Que desce nos trópicos híbridos canibais da libido
Da pyca da buça e do cu

Do cu os maiores
Dedico esse poema
Ao seu tabu

Rafael Abrahão

 

Deixe uma resposta