Lady Gaga não cabe em poesia

Um anjo caracol que voa
Pousa como uma ave de rapina
Numa mistura de Caetano com Valesca
Como bolos de brigadeiros verdes
Enquanto bate Eros e Shiva
O seu amor destrói para construir
Cremes que tiram rugas douradas
No amanhecer do anoitecer que desliza com os dedos de uma seda de guitarra Tako
O cu do capeta arde mais lá que cá
Chove no sol que apaga o fogo e fortalece a minha noite virgem
Mas a putarya sacrálica descabaça essa noite na distância da careca de um monge beneditino
Arde o meu olho que sai do forno recheado com doce de leite

Rafael Abrahão

Deixe uma resposta