SONETO A UM DIA FRACASSADO

Execrado seja este céu noturno
Houve um tempo em que me trouxe deleite
Hoje impossibilita que me deite
E piora meu estado taciturno

Fracasso, não espere que te aceite
Lua! Termine seu maldito turno!
E traga de volta o céu diurno
E que este à minha vida traga enfeite

Noite tenebrosa, maior do que eu
Meu encéfalo até já se esqueceu
De que o organismo humano cansa Astro-rei!

Destrua esta noite vil!
E que incandescentes hulhas mil
Acendam o brilho da esperança!

Igor Fialkovits

Deixe uma resposta