O cheiro da cobra no mamão da pomba

Uma hora a pomba falou
Por uma hora ela falou
A pomba que era comida pelo marido
Canta como uma cadela gemendo

Cena forte
Yerma!
E toda aquela história
Que acontecia bem na minha frente
Me prendia muito

Mas em um momento me notei disperso
Outra maravilha puxou o meu foco
Não visual, mas oufativo
O cheiro que já não cheirava há um ano

Veio arrombando as minhas narinas
Como um pé chutando uma porta
Como um pinto arrancando as pregas
Como um sexo não consentido
Um estupro dentro da minha cara

Veio sem perguntar se podia
Em segundos trouxe tudo
Que me fez desprender da antiga vida
Saudade

Daquilo que ja tive
Daquela sensação
Daquela pessoa dupla
Não bipolar
Mas andrógeno

Aposto que encaixava certinho com você
Antes de Zeus nos separar
E você encontrar uma outra metade
De um quebra cabeça
Que nem quebrando a cabeça te pertence

Por que hoje em dia
Graças a nós
Ninguém pertence mais a ninguém!

Rafael Abrahão

Deixe uma resposta