O estranho aparato de Sr. Grid.- Parte 4

    – Ok… e como funciona, afinal? – Perguntava Adam, preocupado
    – Adam, você está com sono, por acaso?    – Agora que mencionou… sim eu estou. Estranho, até, eu não estava cansado quando cheguei.
    – Exatamente, Adam! É isso que a esfera faz! Ela concede desejos, mas claro, precisa de um combustível. De alguma forma ela consegue absorver a energia de quem a segura para seu funcionamento!
    – Isso não tem como ser bom, Grid. Devolva-a ao lugar onde a achou e acabe com esta loucura!
    – Adam, você não vê as possibilidades que esta esfera nos traz. Venha comigo, tive uma idéia.
   E Grid saiu com seu amigo, caminharam pela rua durante certo tempo, enquanto procurava por algo, até que finalmente o encontrou: um homem deitado em seu jardim, que quase dormia. Sinalizou a Risón para que assistisse à cena que aconteceria, se aproximou do homem e perguntou se estava bem.
    – Passei o dia consertando meus móveis! Foram devorados por cupins, durante um tempo em que estive fora. Estou exausto – respondeu o homem.
    – Certo… e se eu lhe dissesse que poderia ter seus móveis restaurados em um piscar de olhos, sem qualquer esforço braçal? – perguntou Nelson.
   – Eu não acreditaria – respondeu o homem, em tom cômico
   – De certo que não. Por isso vim te mostrar. Segure esta esfera, e mentalize seus móveis novos em folha.
   O homem obedeceu, apesar de cético, e logo em seguida foi verificar sua mobília. Era incrível: todos os seus móveis anteriormente deteriorados agora estavam intactos. Voltou para agradecer os dois homens que o ofereceram esta oportunidade, mas já haviam ido embora.
   – Pode me explicar o que foi isso? – perguntava Adam, irritado
   – Simples, Adam. Ele ganhou um favor, e eu ganhei energia para minha esfera funcionar. Agora posso fazer mais desejos, porém sem o último infortúnio.
   – Eu não concordo com isso. Você está tirando energia de uma pessoa a seu bel prazer. Pretende fazer o que, agora que já conseguiu a energia que queria?
   – Agora? Agora mostrá-la-ei ao mundo, Adam!

Igor Fialkovits

Deixe uma resposta