O passado não condena, aliena (26/5/15, 13:34)

No meu curriculum vital
Vai muita coisa
Vitae é diferente de vital
Apenas esclarecendo

Nele vai as minhas capacidades e in-capacidades
Carregadas nas costas na cabeça e no coração
Sendo assim existem dubiedades

Porque posso amar e ser amado
Assim como posso não também
Quando cabeça e coração estão juntos
Ou tentando conversar…
Curto circuito

Mas como todo currículo tenho que me valorizar
O que não acontece quando eu amo alguém
E mesmo com essa consciência
Existe coincidentemente conscientemente
O fato de que isso não se aplica
À minha ciência

Existe outro documento
Implícito no explícito
Que não para manipular
Afinal diferente do meu currículo
Existe um histórico

O histórico de vida não nega absolutamente nada
Nesse histórico
É escancaradamente escancarado e furtivo
As minhas n falinilidades amorosas

Também tem lá a presença da super proteção
E a ausência da mínima proteção
Existe uma luta
Consequência dos ignorantes
Que acham que eu optei por ser minoria

Parando um pouco de falar de mim
Os adolescentes e adultos que são alienados desde pequenos
Gemem como porcos ao entrar no matadouro
Mas cantam com o galo a vida que segue
Sem nenhuma identidade

Quando estes inconscientes desenvolverem
Conscientemente a consciência
De uma identidade
Revoluções virão

Os racisexmachistashomogordofóbicos cairão
E outras pessoas como eu
Não carregarão nem no currículo e nem no histórico
Repressões falhas e quedas
Por conta da auto estima não ofendida

Rafael Abrahão

Deixe uma resposta