IN ARTICULO MORTIS

Flutuo etéreo pelo cosmos e avante
Até me deparar com um monstro escarlate
Fita-me, analisa-me, e, frente a meu semblante
Pasma, como se assistisse a um disparate

Pergunta-me se há algum revés que me abate
Sarcástico. Já sabe bem, desde o instante
Quando me viu, que fui vencido no combate
Contra arrependimentos… não lutei o bastante

A Consciência é uma doença humana
Somada a nosso apego por simbologia
Causa a degeneração da vida mundana

Esta degeneração, intrínseca em excesso
Nos acompanha, sempre tão pungente e fria
Até o último delírio de decesso

Igor Fialkovits

Deixe uma resposta