Sina do artista

Sinto-me só. Rodeado, mas só.

Vejo quimeras: estou tresloucado!

Mil alienistas estão ao meu lado

A declamar sentimentos de dó


Pergunto, então, aos do reino condenado:

O que os proteje de um destino em pó?

Com as respostas, aumenta-se o nó

Convenço-me de que fui profligado


Pondero inquieto, franzindo o cenho

Minha confiança é tudo o que tenho!

Por fim, a formosa resposta avança


Trilhar o torpe rumo da paixão

-Quiçá o do mundo antigo, em contramão-

É subsistir à mercê da esperança!


Igor Fialkovits

Deixe uma resposta