O pelo da raposa é a camada onde eu mergulho (15/4/15, 23:25)

Afoguei as magoas na cachaça cevada
De uma raposa que se esconde
Eu estou preparado para te receber
Muito antes de você propor a sua chegada
A sua chegada é fundamental
Mandada mandala

Fico triste
Pelo primeiro amor recebido de uma noite efêmera
Que passou numa piscada lenta
Do olhar de um bebado

O alcool do seu perfume
Da sua doçura
Do seu brilho estonteante
Mesclado com a minha vontade de você
Embriaga-me

Embriaga o embrião
Que você quer receber
No qual eu só concedo
Se for comigo

Esperemos a cena dos próximos capítulos
Escrevidas encenadas vividas
No vívido do ao vivo

Rafael Abrahão

Deixe uma resposta