Panelinha berço de ouro

Muitos estavam nas diretas já
Nos “caras pintadas”
Em alguns momentos invejáveis
Mas o que eu invejo
É a cara de pau desses pequenos, médios e grandes burgueses
Que falam de corrupção
Mas estão tão corrompidos pela própria vida
Que lucram injustamente em cima do proletariado

Nem 13 ou 45
Precisamos de uma reforma política
Pela criminalização da homofobia
Pelo fim do machismo estúpido
Para uma educação artística

Não adianta o executivo ir à rua
E resolver por mais uns 20, 30 anos
O problema é cíclico
O problema somos nós
Não vou me excluir dele

Convivo com pessoas que deram os parabéns à todas as mulheres
E na mesma noite chamou a nossa presidenciável de puta
cachorra vadia filha da puta

Outros por sua vez, alimentam a hipocrisia interna
Não tem um pingo de coragem de ir às ruas
Então… por que não bater panelas e apagar as luzes em casas?
Chega a ser cordial o jeito como nos comportamos Acho que já deu do Fantástico e do nosso jornalismo
Ver a casa dos famosos
Alimentar a GRANDE solidariedade do Luciano Hulk
O que precisamos ver são as camadas populares
Que alimentam o nosso país e os nossos GRANDES empresários

Quem precisa falar sobre a necessidade de educação
de hospitais públicos
de revolução
São os nossos protagonistas!
Quem são eles?
Sua empregada, seu operário, seu faxineiro
até mesmo aquele mendigo que teve o pão negado

Os gigantes acordaram
Acordaram para próprio cordão umbilical
Querem um novo presidente sem corrupção
Corrupção que existem há 515 anos no Brasil  Depois de uma grande devagação
Vejo que não coloquei nem metade do que eu penso neste papel
Ou nesta tela, tanto faz
O fato é que: Precisamos de uma reforma política
E não da sua cara de pau e das suas panelas

Rafael Abrahão

Deixe uma resposta