O cano da arma que me mata ainda está quente na sua mão.
Mão que decide ainda se vai dar outro tiro ou não.
E o coração que derreteu endurece novamente, com o medo daqueles que acariciam o amor que eu deixei existir.
Preciso esquecer o amor que te dei.
Preciso te odiar.
Preciso me ver livre
Antes que eu morra.

Vitória Fava

Deixe uma resposta