Se não é existir

Se Deus é
Não define sua existência
Dentro do plano cartesiano
Onde é preciso pensar
Só assim a existência será delimitada

Há quem dirá
O limiar entre o amor e o ódio
É ínfima
Pode até ser,
Evidencio, no entanto, que
A barreira entre consciência e loucura
É desprezível.

Os mais ousados diriam
Amor e ódio
Misturam se em uma incessante onda
Dos frutos de Byron e Francisco. Entre outros

Rodam em torno do próprio eixo no limbo
Existem apenas Amor e Ódio.

Arthur Rizzo

Deixe uma resposta