Já não tenho mais o que dizer

A não ser
Que saco é escrever
Que saco é pensar
Que saco é ser (1)
Que saco é viver

Eu numa retórica fútil pergunto
Pra que ser (+1)
Por que gostamos de sofrer
Tolos, há alguém que não
Tudo se resume a ser (+1)

Embebido de raiva, estremeci
Lágrimas, dores, gritos, tudo
Se envolvia numa irritação vermelha
Lástimas do passado
Abrem meus olhos e percebo
Sou (+1)

Muitos são (+1)
E ainda mais já foram
Talvez mais serão (+1)

Ser (+1)
Pode não significar muito
E chega a ser neutro
Cria do nada
Integrante dos excluídos
Aliena-se.
Livres… Talvez realmente sejam(+7)

Arthur Rizzo

Deixe uma resposta