Espera.

Pera!
Me espera
Que o mundo impera
E palpita
Na menina
Na marmita
De horrores
E alegrias
E regalias
Como se fossem visitas
Depende se tu acreditas.
Vidas jogadas nos escombros
Da morte acelerada pela guerra
Mas pera! Me espera
Estou chegando.
E, quem dera, mudando.
Me espera.

Bruno Panhoca

Deixe uma resposta