Olhando para o nada

Deito
No teu peito
E deixo
Vou pra fora do eixo

Meu corpo
Inteiro absorto
Implico
Como um maçarico

Esqueço
Me arrefeço
Trago
E engasgo

Chega dessa fumaça
Chega dessa desgraça
Chega de achar graça

Sento na praça
Escondo-me de quem passa
Aguardemos, pois há de vir a nossa caça.

Bruno Panhoca

Deixe uma resposta