Primeira sessão (8/8/14; 17:52)

Perco-me dentro de mim mesmo
Dando um suspiro de paz
Para dar três de agonia
Masco todos os tipos de chiclete
Até que uma hora, inevitavelmente
Eles perdem o gosto

Não há substância que faça me encontrar
Não há amigo
Não há nem você
Seja lá quem for
Não te encontro mesmo

Perdi meus nortes
Mas não o jogo
Chega de colocar obstáculos para mim mesmo
Estou num vazio
Tão preenxido de entulho humano
Que os lixeiros desistiram de trabalhar

Não terminarei com um vazio
Nem com procura
Moverei-me
Pois parado, não saio daqui

Rafael Abrahão

Deixe uma resposta