Os invisíveis coloniais (13/5/14, 17:28)

Certa vez,
Andava pela rua,
Tinha q impressão que não tinha ninguém.
Na verdade eram só os invisíveis.

O invisível da balinha do metrô;
O invisível que guarda carros;
O invisível das moedas do farol.
Vai dizer que não os conhece?

Não percebemos a importância deles.
Sem eles, não teríamos a quem negar,
A comida, o trocado, a cachaça.
Sem eles,
A vida seria sem graça e a sociedade utópica.

Porém, para o senhor atrás de mim,
Eram monstros, bandidos, sei lá.
Só sei que para ele, não se tratavam de pessoas.

Pobres invisíveis!
São mais humanos que a gente.

Rafael Abrahão

Deixe uma resposta