O garoto.

Saiu ontem no jornal das oito
O garoto que andava afoito,
E não encontrou nenhuma solução
Estava no meio de uma contradição.

E como relataram era verdade
O garoto só sentia saudade
De um mundo que nunca existiu
E de um amor que nunca sentiu

O paradoxo da verdade,
Que pra existir precisa da falsidade,
Imperava em sua cabeça
Como se fosse uma camada espessa.

No entanto, no meio dos problemas
No meio de diversas algemas
Ele a viu escondida,
Um pouco, talvez, tímida.

Com aqueles olhos curiosos e felizes
Enxergando a vida através de suas raízes.
Então ela o olhou, e como relatou o jornal
Tudo, tudo mesmo, tornou-se banal.

Os problemas, os floemas, os xilemas, as algemas…
Todos se transformaram em grandes poemas.

Bruno Panhoca

Deixe uma resposta