O tempo leva, e deixa

O tempo deixou, o que você levou.
Um pouco do seu rastro, que estampo no mastro,
Da vida corrida, cavalgada, a vida amada
Que a oliveira cresça, como queira, que um dia você apareça.

Ao abrir o armário, vejo o mundo mudado.
Obrigado… Por tudo que tem me ensinado,
Peço que esse verso seja muito cantado,
Pois é feito pra você, sem duplo sentido, meu amado.

Não deixei ele levar.
Decidi deixar ele ficar.
Pra sempre, na mente.
Não tente entender,
Não está na sua frente,
Não é de quem mente;
Sim, de quem sente.
Na vida o que é quente.

Olavo Rosa

Deixe uma resposta